Clésio Andrade: O Globo

Compartilhar           Orkut          

Clipping - O Globo | 11/06/2013 - Atualizada em: domingo, 9 de outubro de 2016 20:00

​A popularidade do governo da presidente Dilma Rousseff caiu para 54,2% de avaliação positiva, segundo pesquisa da Confederação Nacional do Transporte (CNT) divulgada nesta terça-feira. Na pesquisa anterior, de julho de 2012, a avaliação positiva do governo Dilma era de 56,6%. Além disso, a avaliação negativa aumentou, passando de 7% em julho do ano passado para 9%.

-
A gente não considera uma pequena queda. Essa queda é visível. Ela está em queda, as outras pesquisas demonstram isso – afirmou o senador Clésio Andrade, presidente da CNT.

A condução da economia feita pelo governo Dilma é o que está prejudicando sua avaliação, afirmou o senador:

- A inflação principalmente, a paralisia do governo, falta de investimentos públicos, o dólar subindo, que afeta a classe média e classe média alta. Você tem alguns fundamentos econômicos que sem dúvida estão pesando nessa queda.

De acordo com a 113ª edição da pesquisa, a aprovação pessoal da presidente também caiu, passando de 75,7% na pesquisa anterior para 73,7% no levantamento divulgado hoje. A desaprovação sobre a presidente aumentou, passando de 17,3% para 20,4%.

Na comparação com o governo Lula, também piorou a avaliação do governo da presidente Dilma. Na pesquisa anterior, 15,9% dos entrevistados consideravam a gestão Dilma melhor que a de Lula, ao passo que agora essa avaliação caiu para 12%. Cresceu a percepção de que o governo Dilma está igual ao de Lula, para 57% dos entrevistados, ao passo que na pesquisa anterior essa era a visão de 48,2% das pessoas.

A principal marca do governo Dilma, aponta a pesquisa, seria sua associação ao governo Lula, para 42,9% dos entrevistados


Eleição de 2014


Sobre o cenário para as eleições presidenciais de 2014, a pesquisa aponta no primeiro cenário (com a candidatura do governador Eduardo Campos) vantagem de Dilma no primeiro turno, com 52,8% das intenções de voto. Nesse cenário, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) teria 17% das intenções de voto; Marina Silva (Rede Sustentabilidade) ficaria em terceiro lugar, com 12,5% das intenções de voto; e o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), teria 3,7%.

No segundo cenário para o primeiro turno das eleições, sem Eduardo Campos, Dilma teria 54,2% das intenções de voto; Aécio ficaria em segundo lugar, com 18%, e Marina Silva viria em terceira, com 13,3% dos votos. No segundo turno, Dilma ganharia em todos os cenários, contra Aécio, Mariana e Campos.



Inflação e risco de apagão


A percepção da inflação foi medida nesta edição da pesquisa. De acordo com o levantamento, 36,7% afirmam que o impacto da inflação na renda familiar é “alta”. Outros 36,6% avaliam esse item como “moderado”, e 18,6% percebem a inflação com impacto “baixo” na renda familiar.

O risco de apagão de energia elétrica também foi listado na pesquisa. Para 41,2% dos entrevistados há risco de um apagão ainda este ano. Já 51,7% afirmam terem percebido a queda nas tarifas de energia.

Para Andrade, a pesquisa mostra que a percepção da população sobre saúde, segurança e educação piorou. Também pesa contra a popularidade do governo Dilma a política econômica, mas Andrade reforça que ainda é muito alta a avaliação positiva da gestão Dilma e da presidente.

- O governo está com dificuldade de gestão e isso pode pesar. Só desoneração não será suficiente. É preciso alavancar os investimentos. Mas a popularidade da presidente Dilma ainda é muto alta, mesmo, mas o governo não pode descuidar das questões que foram aqui faladas – afirmou.



Temas sociais


A pesquisa ainda apurou a percepção do brasileiro sobre temas sociais. Sobre a união civil entre pessoas do mesmo sexo, a maioria é contra e apenas 38,9% são favoráveis. Sobre a possibilidade de adoção de crianças por casais de pessoas do mesmo sexo, 43,5% afirmam serem a favor.

A maioria dos entrevistados afirmou ser a favor da redução da maioridade penal (92,7%), de 18 para 16 anos. Porém, 69,7% são a favor da redução da maioridade civil para 16 anos.

Para a pesquisa, informou a entidade, foram entrevistadas 2 mil pessoas, em 134 municípios de 20 estados, entre os dias 1 e 5 de junho. O estudo foi feito em parceria com o instituto de pesquisas MDA.


Flávia Pierry

Compartilhar           Orkut