Clésio Andrade confirma pré-candidatura pelo PMDB ao governo de Minas em 2014

Compartilhar           Orkut          

Clipping / Hoje em Dia | 24/09/2013 - Atualizada em: terça-feira, 18 de outubro de 2016 13:25

Lucas Prates/Hoje em Dia

​Pré-candidato do PMDB ao governo de Minas, o senador Clésio Andrade afirmou na segunda-feira (23) que existe a possibilidade de ele apoiar a candidatura do senador Aécio Neves (PSDB) à Presidência da República. Para o peemedebista, ele dará palanque “a quem apoiar sua candidatura ao governo”.

A declaração pode abrir um conflito entre o senador e a bancada estadual, já que os deputados mineiros fazem oposição há doze anos ao governo tucano. Além disso, a bancada vê como “natural” uma dobradinha com o PT no pleito do ano que vem.

“Há muitos anos não existe mais a vinculação partidária. O plano nacional é diferente do estadual”, declarou o senador destacando que tanto Dilma Rousseff (PT) quanto Aécio podem subir em seu palanque. Ele não acredita que a executiva nacional intervenha na sucessão em Minas.

Ontem, Clésio almoçou com a bancada estadual quando se colocou como o candidato de terceira via ao governo de Minas e prometeu uma campanha propositiva.


PMDB e PT

O ministro da Agricultura, Antônio Andrade (PMDB), estaria sendo sondado para ser o vice na chapa do ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel (PT), ao Palácio Tiradentes.

Questionado sobre a possibilidade de dobradinha com o PT, ele negou que as conversas existam.

“Não existe essa discussão (chapa com o PT). Em algum momento vamos discutir, mas sob condições de segundo turno”, declarou Clésio que rechaça qualquer discussão em torno da vaga de vice.

O senador também destacou que sua “proximidade” com Aécio pode contribuir para o estado, caso ambos sejam eleitos.

Segundo Clésio, PSDB, PRTB e PTB são os partidos com os quais ele tem conversado para fechar uma aliança.

Por outro lado, o deputado estadual Adalclever Lopes (PM DB) declarou que as bases decidirão sobre a candidatura própria ou uma aliança entre PT e PMDB. “O PMDB pode ter candidatura própria, mas a estratégia com o PT é comum, a gente enxerga isso na base”.

Quanto à proporcional, Adalclever disse que, por enquanto, a bancada pretende não fazer coligação.

Quanto à vaga no Senado, o ex-senador Hélio Costa e o deputado federal Newton Cardoso se colocaram à disposição, segundo Clésio.


Hoje em Dia



Ana Flávia Gussen

Compartilhar           Orkut