Clésio afirma que China quer investir em infraestrutura de transporte no Brasil

Compartilhar           Orkut          

| 18/10/2011 - Atualizada em: quarta-feira, 28 de setembro de 2016 22:25

 
Empresários chineses estão dispostos a investir em infraestrutura de transporte no Brasil, informou o senador Clésio Andrade nesta terça-feira (18). O parlamentar, que preside a Confederação Nacional do Transporte (CNT), acaba de retornar de viagem institucional à China.

Representando o empresariado brasileiro do setor de infraestrutura e logística, Clésio Andrade recebeu, ainda, manifestação de interesse de empresários e representantes do governo chinês na instalação de “dez indústrias no Brasil e trabalhar em parceria com empresas brasileiras, para resolver o problema de infraestrutura de transporte”.

Clésio anunciou esses números durante audiência pública conjunta das comissões de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE) e de Meio Ambiente (CMA), que debateu a posição do governo brasileiro dentro do G20, nos aspectos econômicos, ambientais, climáticos e de segurança alimentar.

O senador mineiro afirmou ainda que a passagem da presidente Dilma pela China foi de extremo sucesso político, o que não se repetiu do ponto de vista econômico. Isto por que, disse, a diplomacia comercial brasileira adotou uma postura agressiva.

“Nós chegamos lá pra guerrear com eles na importação e exportação; a China não vai importar produto nosso acabado, pois eles produzem muito mais barato”, disse Clésio.

Segundo Clésio, a falta de competitividade da produção brasileira é, em grande parte, , consequência da elevação de custos decorrente da falência da infraestrutura brasileira em transporte rodoviário, ferroviário e hidroviário, a deficiência nos portos e aeroportos, entre outros fatores.

O Plano Nacional de Logística elaborado pela CNT estima que, para manter o nível atual de competitividade com nossos principais concorrentes, são necessários investimentos de R$ 405 bilhões. A parceria com os chineses, de acordo com o parlamentar, pode eliminar custos da cadeia produtiva que engessam o crescimento do país e contribui para a estatística de nove mil mortes por ano em rodovias federais.


Meio Ambiente

Sobre o aspecto ambiental, o senador afirmou que a iniciativa privada pode colaborar muito, mas a decisão precisa de vontade política. “O nosso óleo diesel é o de pior qualidade no mundo, são 1.800 mg/kg de enxofre, o que provoca problemas de saúde e diminui a qualidade de vida. Enquanto no resto do mundo, o limite é de 50 mg/kg. A Petrobras precisa investir pra melhorar a qualidade o combustível”, afirmou.

De autoria do senador Clésio, tramita na casa projeto com o objetivo de reduzir, gradativamente, a quantidade de enxofre no óleo diesel. Segundo a proposição, a partir de 2015, o óleo diesel no Brasil poderá ter apenas 10 miligramas de enxofre por quilo (10mg/kg).

O projeto está nas mãos do senador Paulo Paim, que vai relatar o projeto na Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle.

 

 

 

Compartilhar           Orkut